sábado, 29 de dezembro de 2018

Grupo EJA em Movimento avalia 2018

No último dia 19 de dezembro, o Grupo EJA em Movimento fez sua última reunião do ano, momento em que se avaliou o trabalho desenvolvido durante 2018, incluindo o IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos EJA em Movimento.
Das opiniões expressas, foram ressaltados como pontos positivos: (a) as leituras e discussões de textos; (b) os encontros proporcionarem reflexões que têm implicação prática na realidade da EJA; (c) a troca de experiências entre os participantes; (d) os relatos de experiências didático-pedagógicas; e (e) a riqueza da programação do Evento.
Especificamente, em relação ao nosso evento, o baixo número de participantes em comparação com o número de inscritos (277, enquanto que nos dois anteriores tivemos, 218, ano passado, e 170, em 2016), chamou atenção e motivou o grupo a buscar investigar as razões, de modo que foi deliberado que se enviassem comunicações aos inscritos que não participaram de nenhuma atividade com perguntas que possam nos fazer ter um quadro mais nítido dos fatores que impediram a participação deles.
Em todo o caso, preponderou nas avaliações do grupo a hipótese de que o período do evento (diferentemente dos anos anteriores, quando fizemos dentro do período da CIENTEC - que este ano foi realizada em junho, no bojo das comemorações em torno dos sessenta anos da UFRN), tenha sido o principal responsável pela reduzida participação, dado que no período da CIENTEC as redes escolares têm mais propensão a liberarem os seus profissionais para participação de atividades fora do espaço escolar).
O grupo avaliou, ainda, que o período do evento (final de novembro), com atividades durante três dias seguidos, em três turnos, se tornou pouco funcional à plena participação dos professores de EJA das redes na medida em que a grande maioria estaria envolvida em atividades de final de período letivo em suas respectivas escolas. E para os que participaram, os três dias intensos de atividades ficou deveras cansativo.
De qualquer forma, foi realçado a qualidade das mesas, das oficinas e a importância das sessões de relatos de experiências, através das quais os participantes acabam tomando contato com o trabalho desenvolvido por outrxs colegas.
Ao final da reunião, como sugestões para fazermos avançar nossas atividades, o grupo apontou: (a) que se busque o envolvimento e a colaboração de outros professores do IFRN (como os colegas do campus de São Gonçalo); (b) que o grupo avance em direção à produção de pesquisa na área de EJA; (c) que nos próximos encontros anuais, se possa realizar pré-encontros em outros municípios articulados nesse fim; (d) que haja uma articulação mais efetiva com as secretarias municipais de educação, a fim de que se possa garantir uma maior participação dos professores dessas localidades; (e) que o evento do próximo ano seja de apenas dois dias, inclusive, com a participação de estudantes de EJA; (f) que o projeto seja mais divulgado junto às secretarias municipais de educação.

IV Encontro EJA em Movimento: compromisso e qualidade com a modalidade EJA

Durante três dias, o Centro de Educação da UFRN foi palco de intensas atividades tendo a modalidade EJA como centro das atenções.
O evento manteve a tradição de combinar o debate teórico, com a reflexão sobre as práticas pedagógicas e o compromisso com políticas educacionais de promoção do direito à educação escolar para jovens, adultxs e idosxs que não concluíram a educação básica.Durante as manhãs, foram ofertadas Oficinas Pedagógicas, as quais tiveram as seguintes temáticas: 1) A Pesquisa como princípio educativo: a experiência de Florianópolis-SC, conduzida pelo prof. Daniel Berger (doutorando em Educação na UFSC e membro do Fórum Catarinense de EJA) 2) O desenho como ato corporal, conduzida pela profa. Márcia Betânia Alves da Silva (Rede Pública Municipal de Educação - Natal) 3) Cultura maker – Da teoria à mão na massa!, conduzida pela profa. Syham Kafka Vitorino de Oliveira (SESC-RN) 4) Estratégias didáticas para juvenilizados da EJA, conduzida pelo Prof. Cláudio Correia de Oliveira Neto (Mestrando em História - UFRN 5) Alfabetização e Letramento na EJA, conduzida pela profa. Edneide Bezerra (IFRN) 6) O Pensamento de Paulo Freire., conduzida pela profa. Maria Aparecida Zanetti (UFPR).
Durante as tardes, os participantes tiveram a oportunidade de conversarem sobre experiências didático-pedagógicas desenvolvidas por colegas professores de EJA de várias instituições educacionais locais., além da exibição do filme "Fora de Série", produzido pelo Observatório da Juventude da Universidade Federal Fluminense, com debate em torno de seu conteúdo coordenado pela profa. Monica Sacramento, da ONG Crioula, do Rio de Janeiro. 
Tivemos, ainda, na sexta feira, dia 30 a 1a. EXPOEJAemMovimento, com a exposição de trabalhos realizados na EJA de dois municípios (Ceará Mirim e Nísia Floresta), organizada pelas respectivas coordenações da EJA.
Nas três noites de evento, tivemos um ciclo de debates, cujos emas foram: 1) Mesa Redonda: "Direito à EJA: desafios, impasses e estratégias no Rio Grande do Norte", com o prof. Domingos Sávio, secretário municipal de educação de Macaíba, representando a UNDIME (União Nacional de Dirigentes Municipais de Educação); e o prof. Alessandro Augusto de Azevêdo, pela coordenação do Projeto EJA em Movimento (UFRN) 2) Palestra: "Qual Formação para professores da EJA?", com a Profa. Maria Aparecida Zanetti (UFPR) 3) Palestra de encerramento: "Juventudes na EJA", com a Profa. Mônica Sacramento (Pesquisadora colaboradora do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira - PENESB/UFF e coordenadora de projetos da ONG Criola-RJ).
Ao longo dos três dias, circulou um Abaixo Assinado a ser encaminhado à nova governadora do Estado, profa. Fátima Bezerra, com uma avaliação do atual estado da EJA no RN e a defesa de ações voltadas à promoção do direito à EJA no nosso Estado (acessível para assinaturas no link: https://peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR108827).



domingo, 16 de dezembro de 2018

Grupo EJA em Movimento reúne-se para avaliar atividades de 2018 e pensar 2019

Próximo dia 19 de dezembro, às 14h30min, na sala Multimeios 1, no Centro de Educação da UFRN, será realizada a última reunião do ano de 2018, do Grupo EJA em Movimento.
Na reunião - que é aberta a quem quiser participar - deverá acontecer uma avaliação das atividades de todo o ano de 2018, inclusive o IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos, realizado entre 28 e 30 de novembro próximo passado, e serão levantadas questões para se encaminhar a proposta de continuidade do projeto em 2019.
Por isso, é muito importante a presença tanto daqueles que acompanharam as atividades ao longo deste ano, como daqueles que nunca vieram, mas participaram do IV Encontro e/ou têm ideias para 2019.
O projeto tem como característica principal ser formatado pelos próprios participantes em seu próprio caminhar, assim, a participação de quem tiver interesse nas questões da EJA é absolutamente bem vinda.

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

IV Encontro EJA em Movimento: só falta uma semana!!!

O IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos já atinge mais de 150 inscritos, mantendo a média de inscrições desde o primeiro evento, em 2014.

Nos próximos dias 28, 29 e 30 de novembro as dependências do Centro de Educação da UFRN acolherão professores(as) da rede pública de educação básica preocupados e/ou atuantes na modalidade EJA em nosso Estado.

O evento, que também é aberto a estudantes matriculados nas licenciaturas e que se identifiquem ou se preocupam com a temática, tem uma agenda de atividades bem diversificada, com Oficinas Pedagógicas pela manhã, Relatos de Experiências durante as tardes e Mesas Redondas à noite. 

Na sexta feira, à tarde, teremos a exibição de um documentário produzido pelo Observatório da Juventude da UFF, sobre as juventudes na EJA, intitulado "Fora de Série", após o que teremos um debate.

Na sexta feira haverá, também, uma exposição de trabalhos desenvolvidos por municípios cujos professores participam do Projeto de Extensão EJA em Movimento.

As inscrições podem ser realizadas na página https://ejaemmovimento.wixsite.com/ivencontro2018, onde é possível, também, conferir toda a programação do evento.

Durante o evento serão recolhidas assinaturas dos participantes em relação a um documento que será encaminhado à nova governadora eleita do nosso Estado, a profa. Fátima Bezerra, solicitando apoio na defesa do direito à EJA. O documento encontra-se disponível em https://peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR108827 para assinatura. Ele será lido e após recolhidas as assinaturas entregue à nova governadora.

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Relatos de Experiências no IV Encontro EJA em Movimento

A Comissão de Avaliação de Trabalhos do IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos EJA em Movimento divulgou os Relatos de Experiências que serão compartilhados e discutidos durante o evento.
Durante os dias 28 e 29, entre as 14h e 18h, os relatos serão apresentados e discutidos por todas as pessoas participantes do evento.

Abaixo a lista com título e autoria:

1. "Resgatando a cultura da palha em Massaranduba, Ceará Mirim-RN".
autoria: Daianne Crystine Souza da Luz, Anileide Gomes Leite Galvão, Valéria de Melo Ferreira e Elaine Cristina Gomes de Lima 

2. "vivendo e (res)significando a história: o Vale e a cidade de Ceará Mirim, suas transformações e apropriações no tempo, 1920-2000"
autoria: Helicarla Morais

3. "Memórias: manifestações e vida do povo potiguar"
autoria: Larissa Germânia Silva Alves de Oliveira, Maria José da Silva Sena e Maria da Piedade Soares Bezerra

4. "O ensino de arte na Educação de Jovens e Adultos: entre a enunciação e a visualidade"
autoria: Jailson Valentim dos Santos, Marta Geruza da Costa Oliveira e Maria Conceição de Araújo Barros

5. "Filmes, Física e Matemática: contribuições para a leitura de mundo na Educação de Jovens e Adultos – EJA"
autoria: Silvia Regina Pereira Mendonça, Maria Romênia da Silva, Brenda Murielle da Silva e Lucinete Maria Costa de Souza

6. "Uso de Metodologias Ativas na Educação de Jovens e Adultos"
autoria: Daliana Gonçalves Onofre da Silva e Simone Lira Lopes Leite

7. "O Despertar da leitura na Educação de Jovens e Adultos"
autoria: Marinalda Cassiano Souto e Alexsandra Adelide Elias

8. "A Importância do conhecimento significativo para os processos de ensino e aprendizagem na Educação de Jovens e Adultos: uma experiência do estágio para a formação de professores"
autoria: Ana Beatriz Santos de Sousa e Elnatan Ferreira de Souza Campos

9. "A Prática Escolar na visão da coordenação pedagógica - formação em serviço aos professores/EJA"
autoria: Maria de Lourdes Gabrial Ferreira Soares

10. "Perfil do alunado EJA do municípío de São Gonçalo do Amarante"
autoria: Veronica Maria Oliveira de Souza e Leia de Andrade Rodrigues

Próxima semana, no sítio do nosso evento (https://ejaemmovimento.wixsite.com/ivencontro2018) estaremos divulgando em que dias cada Relato será apresentado.


domingo, 11 de novembro de 2018

Inscrições Abertas para Oficinas Pedagógicas no IV Encontro EJA em Movimento

O IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos EJA em Movimento está com inscrições abertas para participação geral, mas também para Oficinas Pedagógicas e uma Roda de Conversa, que estão sendo oferecidas pela coordenação do evento.
As Oficinas e Roda de Conversa acontecerão durante as manhãs e todos(as) e aquelas(es) que pretenderem participar delas devem realizar suas respectivas inscrições até o dia 25 de novembro.

Abaixo a programação:

Dias 28 e 29 de novembro
OF2 - A Pesquisa como princípio educativo: a experiência de Florianópolis-SC, Coord. prof. Daniel Berger (Fórum Catarinense de EJA) - 30 VAGAS (clique aqui)
OF3 - O Desenho como ato corporal, Coord. profa. Márcia Betânia Alves da Silva (Rede Públi ca Municipal de Educação - Natal) - 20 VAGAS (clique aqui)
OF 4 - Cultura maker – Da teoria à mão na massa!, Coord. profa. Syham Kafka Vitorino de Oliveira (SESC-RN) - 25 VAGAS (clique aqui)
OF 5 - Estratégias Didáticas para os Juvenilizados da EJA, Coord. Prof. Cláudio Correia de Oliveira Neto - 30 VAGAS (clique aqui)
OF 6 - O Corpo em movimento: o jogo improvisacional como experiência estética no teatro, Coord. Profas. Anna Karolina Alves do Nascimento e Ana Catharina Urbano Martins de Sousa Bagolan (NEI-UFRN) - 20 VAGAS (clique aqui)

Dia 30

OF 1 - Alfabetização e Letramento na EJA, Coord. profa. Edneide Bezerra (IFRN) - 25 VAGAS (clique aqui)
Roda de Conversa: O Pensamento de Paulo Freire, Coord. profa. Maria Aparecida Zanetti (UFPR) - 25 VAGAS (clique aqui)

quarta-feira, 31 de outubro de 2018

EJA em Movimento divulga Abaixo Assinado em defesa do direito à EJA

O Projeto de Extensão EJA em Movimento está divulgando Abaixo Assinado a ser encaminhado à nova governadora do Rio Grande do Norte, em torno da defesa da EJA como direito.
O documento está disponível na internet (http://peticaopublica.com.br/psign.aspx?pi=BR108827) para ser assinado, mas as  assinaturas serão recolhidas, também, durante o IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos EJA em Movimento, que se realizará entre os dias 28 e 30 de novembro, no Centro de Educação da UFRN.
Na abertura do evento, inclusive, está programado uma mesa redonda sobre o direito à EJA no nosso Estado, para a qual foram convidadas representantes do Ministério Público Estadual, da União de Dirigentes Municipais de Educação e da nova gestão do Governo do Estado, ocasião em que cada um receberá uma cópia do documento.

domingo, 28 de outubro de 2018

Convite à(ao)s estudantes da Licenciatura em Pedagogia à participação no Projeto EJA em Movimento

Próxima quinta feira, dia 1o. de novembro, às 17h30min, na sala 32, no Centro de Educação da UFRN, haverá uma reunião para quem estiver interessado em participar do Projeto EJA em Movimento, na condição de estudante voluntário(a). 
Na reunião, o prof. Alessandro A. de Azevêdo, coordenador do Projeto, deverá expor o funcionamento atual do Projeto e as expectativas para o próximo ano.
Esse tipo de participação pode ser computado na carga horária do(a) estudante como atividade curricular, além de propiciar uma vivência acadêmica mais aprofundada, numa das áreas da Educação.
As pessoas interessadas podem entrar em contato com o professor para mais informações no email: ejaemmovimento@gmail.com e pelo telefone (zap) 9 96071267.

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

Sítio do IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos EJA em Movimento já em funcionamento

Este ano, o IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos EJA em  Movimento está abrigado em um sítio específico para o evento. Mais dinâmico e com a possibilidade de se fazer inscrições e submissão de trabalhos diretamente, além de já trazer toda a programação provisória.
Na medida em que a programação for sendo definida (relatos de experiências e oficinas selecionadas) o sítio será atualizado.
O link de acesso é: https://ejaemmovimento.wixsite.com/ivencontro2018

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

EJA em Movimento discute iniciativa de conhecimento de perfil dos(as) estudantes da EJA desenvolvido pela Coordenação de EJA de São Gonçalo

Ontem, dia 17, tivemos mais um encontro do nosso grupo EJA em Movimento, ocasião em que avançamos na discussão sobre o processo de levantamento do perfil dos estudantes da rede pública municipal de São Gonçalo do Amarante, apresentado pela profa. Verônica e os demais colegas da coordenação de EJA daquele município.
Na oportunidade, discutiu-se questões apontadas pelas respostas dadas pelos estudantes entrevistados, entre elas: (a) a importância de se perceber a modalidade como um espaço de diversificação de oportunidades, dada a diversidade de projetos de vida que a procura; (b) a forte presença das mídias virtuais e redes sociais, ao lado da televisão, como canais que ofertam referências às/aos estudantes da EJA, o que implica a necessária aproximação dos professores com essas dinâmicas, a fim de estreitar laços, pautar questões relacionadas aos conteúdos e tipos de uso desses canais, bem como a forma como eles organizam/pautam nosso cotidiano, na medida em que ocupam parte significativa do tempo livre do estudantado da EJA; e (c) a oferta de ensino médio e de cursos profissionalizantes, como demandas postas por um conjunto significativo dos entrevistados.
A iniciativa dos colegas de São Gonçalo foi ressaltada como fundamental para o início de um processo mais amplo de estruturação de uma formação continuada para os professores do município, de reorganização curricular e de uma política pública específica para a EJA no município. Aqui, o link que dá acesso à apresentação dos colegas de São Gonçalo: https://1drv.ms/b/s!AqVpC3geBMQUgs1sP449MUuKlo65uw.
Depois, tivemos a exposição, pelos colegas Miriã, Rejane e Manuel (Ceará Mirim), acerca da troca de experiências que eles tiveram com outros militantes da EJA, por ocasião da participação no EREJA (Encontro Regional de Educação de Jovens e Adultos) ocorrido recentemente em Salvador-BA. Os colegas relataram as atividades desenvolvidas no evento, as discussões em torno da realidade, os desafios e as perspectivas para a EJA no Nordeste e no Brasil no atual momento histórico. Segundo os colegas, será buscado junto à coordenação do Fórum Potiguar de EJA a realização de uma reunião para a socialização mais ampla dessas informações e a definição de ações para o fortalecimento do FPEJA. A apresentação do pessoal que foi ao EREJA pode ser conferida no link: https://1drv.ms/b/s!AqVpC3geBMQUgs1X_tLEHCdcH_Tn7w
Ao final, foi apresentado o sítio do IV Encontro de Educação de Jovens e Adultos EJA em Movimento, que de 28 a 30 de novembro, pelo prof. Alessandro, o qual deu algumas orientações aos presentes de como interagir com o sítio e sobre algumas decisões que precisam ainda ser tomadas para a plena realização do evento.
Como novidades, neste ano, teremos a confecção de uma Carta contendo as preocupação dos participantes do IV Encontro a ser entregue à equipe do novo governo estadual a ser eleito nas próximas eleições. O documento está sendo confeccionado, será divulgado pelas redes sociais para a recolha de assinaturas e será exposto no evento.
Ainda ficou combinado que as colegas Miriã (Ceará Mirim) e Domingas (Nísia Floresta) pensarão uma exposição sobre as atividades de EJA dos municípios, que ficará às vistas de todos durante os três dias de evento.

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Forum Potiguar de EJA realiza Encontro Estadual preparatório para o EREJA Nordeste

Neste último dia 15 de agosto o auditório do Centro de Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte foi o espaço acolhedor dos participantes do Encontro Estadual de EJA do RN, promovido pelo Fórum Potiguar de EJA, que teve como tema "A EJA como espaço de resistência e confirmação de direitos: desafios e lutas no atual cenário político brasileiro", mesmo tema do XV Encontro Regional de EJA Nordeste, que acontecerá entre os dias 30 de agosto e 1o. de setembro, em Salvador-BA.
A abertura dos trabalhos foi feita pela coordenadora do FPEJA profa. Deyse Karla de Oliveira Martins, juntamente com a Profa. Dra. Rita Diana G. de Freitas (Coordenadora ajunta do FPEJA), as quais abordaram a importância e a urgência de se trabalhar a temática do Encontro. Coube ao Prof. Alessandro Augusto Azevedo uma exposição acerca do atual momento de luta pela afirmação política da EJA como espaço de resistência ao movimento de retirada de direitos que se inicia mais fortemente após o golpe de 2016, apontando uma pauta de lutas que está posta aos que estão imersos no cotidiano da modalidade.
Eem seguida os participantes se dividiram em grupos de trabalho (GT 1 - Políticas públicas na EJA; GT 2 – EJA no sistema Prisional; GT 3 - O Trabalho e a tecnologia na EJA e GT 4 – Direito de Aprendizagem na EJA). Em cada grupo, um relator e um coordenador conduziram a leitura e discussão de um texto-base, bem como a sistematização de sugestões apresentadas em cada grupo. No final da tarde, todos os participantes retornaram dos grupos para a plenária geral para apresentação/socialização das discussões havidas em cada grupo.
No GT 1 (Políticas públicas na EJA) emergiram como proposições: o fortalecimento das políticas públicas para inclusão de jovens e adultos nas escolas; a ampliação da oferta, considerando-se que há uma demanda de sujeitos entre os 15 e 17 anos que não concluíram o Ensino Fundamental, não estão trabalhando e encontram-se fora da escola; promoção de formação inicial e continuada de professores para atuação na EJA; e construção de um currículo diferenciado e contextualizado voltado para as necessidade da Educação de Jovens e adultos.
No GT 2 (EJA no Sistema Prisional), discutiu-se: a necessidade de se ampliar a oferta de ensino para pessoas privadas de liberdade no sistema socioeducativo e no sistema prisional; a formação inicial e continuada de professores para atuação em sistemas de atendimento às pessoas privadas de liberdade; e o currículo mais flexível, nos formatos presencial, semi-presencial e EAD.
O GT 3 ( O Trabalho e a tecnologia na EJA) apresentou como proposições: a formação de professores voltada para uso das novas tecnologias; a importância de se utilizar o celular  e/ou computador com internet como ferramentas de pesquisa e acesso ao conhecimento, tornando as aulas mais dinâmicas; e a socialização de links, aplicativos e outras ferramentas que podem dar suporte às aulas na EJA.
O GT 4 (Direito de Aprendizagem na EJA) trouxe à plenária a importância da prática docente estar mais voltada às especificidades da modalidade; a garantia do acesso aos estudantes com 15 anos ou mais, através de um currículo contextualizado, multicultural, organizado segundo propostas educativas que considerem as diferenças culturais, sociais, linguísticas, econômicas, étnicas, de gênero, entre outras, bem como observem as diferentes dimensões, relações de valores da formação humana, tais como: o cognitivo, o afetivo, o emocional, o conhecimento científico, social, político e cultural.
Após a socialização das proposições dos GT foi realizada a escolha dos 10 delegados que representarão o RN no XV EREJA. Além dos 10 delegados, foram indicados, ainda, 8 suplentes que aguardam confirmação da coordenação do XV EREJA NE quanto à possibilidade de participação deles. Para os delegados está confirmada a garantia de hospedagem e alimentação.
Os delegados escolhidos foram:
1 Manoel de Oliveira Fernandes                      CEARÁ-MIRIM
2 Marta Creuza da C. Oliveira                               CAICÓ
3 Janmille Roberta Marques de Oliveira               NÍSIA FLORESTA
4 Maria Rejane de Almeida da Oliveira               CEARÁ MIRIM
5 Raimunda Nadja da Costa Dantas                       NATAL
6 Miriã de Morais Melo Gomes                      CEARÁ-MIRIM
7 Arlinda Samy Viana Pereira                               CEARÁ-MIRIM
8 Antonia Marcia Ramos                                       SÃO GONÇALO DO AMARANTE
9 Maria Rosilandy Feitosa                                       SÃO GONÇALO DO AMARANTE
10 Jarlene Paiva Bezerra                                       CEARÁ-MIRIM
Para nós que fazemos o Grupo EJA em Movimento, esse encontro representou uma vitória do esforço concentrado de muitos colegas no sentido de garantir que nosso FPEJA pudesse ter representantes no EREJA. Em pouco mais de dez dias de divulgação, foram realizadas 75 inscrições e no dia do Encontro tivemos a presença de 47 pessoas.
Esperamos que os colegas que irão para o EREJA participem intensamente e, após o retorno, socializem os debates havidos de modo que possamos ampliar a luta na defesa da EJA, reestruturando o FPEJA e dando-lhe a musculatura necessária para que retome seu papel e sua condição de protagonista na promoção da modalidade EJA e defesa do direito à educação para o público que a procura.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Fórum Potiguar de EJA delibera por realização de Encontro Estadual próximo dia 15 de agosto, preparatório para o XV EREJA

Em reunião realizada sexta passada, dia 3, no auditório do bloco de aulas do Centro de Educação da UFRN, o Fórum Potiguar de EJA decidiu realizar o Encontro Estadual de EJA, preparatório para o XV Encontro Regional de EJA - Nordeste, que acontecerá na Faculdade de Educação da UFBA, em Salvador-BA, entre os dias 31 de agosto e 1o. de setembro próximos.
O evento daqui do Rio Grande do Norte terá como tema "A EJA como espaço de afirmação de direitos: desafios e lutas no atual cenário político educacional brasileiro", o mesmo do EREJA.
A programação inicialmente pensada está assim prevista:
13h, abertura.
13h30min, palestra de abertura proferida pelo professor Alessandro Augusto de Azevêdo (UFRN) em torno do tema.
14h30min às 16h, discussão em Grupos de Trabalhos (GT).
16h às 16h40min, socialização das discussões dos GT.
17h, escolhas dos Delegados(as) que representarão o RN no EREJA.
18h, encerramento.
As inscrições podem ser feitas através do link: https://goo.gl/forms/JcTA5LMbDShEN8FF3
É importante lembrar que o EREJA está sendo realizado a partir do envolvimento voluntário e militante de várias pessoas, sem apoio oficial, o que significa que não há financiamento para hospedagem, alimentação e translado dos participantes.
Cada Estado poderá levar para o EREJA até 10 delegados(as), os quais devem ser inscritos até o dia 15 de agosto, conforme o cronograma abaixo:
1. As inscrições dar-se-ão no período de 10 a 15 de agosto
2. Solicitação de vagas remanescentes de 16 e 17 de agosto
3. Inscrições das vagas remanescentes de 18 e 19 de agosto
4. A distribuição de vagas remanescentes será igualitária para o Fórum solicitante
Para nós que fazemos o grupo EJA em Movimento, é muito importante todo esse processo de articulação e movimentação em defesa da modalidade EJA face ao atual cenário de ataque a direitos que encontra nos próprios poderes públicos defensores e executores. Para se contrapor a isso será preciso fortalecer espaços (como o FPEJA) e criar outros que possam, de maneira ágil e combativa, fazer frente às medidas que promovem a marginalização da modalidade EJA.
O Encontro Estadual de EJA chamado pelo FPEJA pode ser um momento para isso aqui no Rio Grande do Norte.

LOCAL DO EREJA NORDESTE:
FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAAL DA BAHIA- FACED/UFBA
Endereço: Avenida Reitor Miguel Calmon s/n- campus Canela- 40.110 100

domingo, 29 de julho de 2018

Fórum Potiguar de EJA se reunirá para discutir EREJA 2018

Próximo dia 3 de agosto, às 16h, no auditório do bloco de aulas do Centro de Educação da UFRN, o Fórum Potiguar de Educação de Jovens e Adultos (FPEJA) fará uma reunião a fim de discutir o processo de participação da militância da EJA de nosso Estado no XV Encontro Regional de Educação de Jovens e Adultos - Nordeste, entre os dias 31 de agosto e 1o. de setembro próximos.
A reunião se reveste de importância porque para que se possa participar como delegado(a) para o EREJA é necessário que o FPEJA realize um encontro estadual com esse objetivo.
O EREJA é um espaço de discussão e articulação política que se realiza bianualmente no intervalo entre os ENEJAs (Encontro Nacional de Educação de Jovens e Adultos), nos quais estudantes, professsores(as), gestores(as), universidades e movimentos sociais se reúnem para construírem uma pauta e linhas de intervenção no sentido de se construir políticas para o fortalecimento da modalidade.
O tema do EREJA deste ano é "A EJA como espaço de resistência e afirmação de direitos: desafios e lutas no atual cenário político educacional brasileiro", o qual deverá nortear os debates dos Encontros Estaduais.
A comissão organizadora ainda não anunciou o local de realização do EREJA, em razão das dificuldades (naturais) de um evento que não está recebendo apoio oficial nenhum, mas muitos estados já realizaram seus respectivos encontros e tiraram delegados, comprometidos que estão em não deixar que a EJA seja destruída. Tão logo seja feita a divulgação detalhada do EREJA faremos a divulgação aqui.
Ao que tudo indica, o Encontro Estadual do Rio Grande do Norte deverá, também, discutir a renovação da coordenação do FPEJA, que se encontra necessitando de vitalidade para intervir mais concretamente em relação aos problemas que têm acossado a modalidade EJA nas redes públicas municipais e estadual.
O Projeto EJA em Movimento tem se colocado à disposição da coordenação do FPEJA para colaborar na organização e mobilização do nosso Encontro Estadual a fim de garantir que nosso Estado tenha uma boa representação nesse EREJA.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

EJA em Movimento discute Evasão e se organiza para novo Encontro

O Grupo EJA em Movimento voltou a se reunir dia 26 de junho próximo passado, momento em que fez uma discussão sobre "A Evasão na EJA", tendo como base um texto "Evasão na EJA – histórias de abandono? Usos e táticas de praticantes na autogestão da vida", das profas. Inês Barbosa de Oliveira, da UERJ, e Maria Clara da Gama Cabral Coutinho, da Fundação Osório - RJ.
O prof. Alessandro A. de Azevêdo conduziu a discussão, e nela foi possível estabelecer aproximações entre as histórias de vida de estudantes de EJA evidenciadas no texto e outras conhecidas e compartilhadas pelos(as) 17 professores(as) presentes na reunião.
Durante a discussão foi possível se discutir que considerar as relações que os sujeitos têm com a escola, a partir de seus respectivos projetos de vida, nos fazem repensar o conceito de Evasão e nos ajudam a repensar a forma como pensamos a escolarização na modalidade EJA, trazendo para nosso debate a ideia de que a escola não deve impor seu modelo de escolarização e classificar os sujeitos a partir desse modelo, mas colocar-se como à serviço das múltiplas formas como os sujeitos interagem com a escola e com a escolarização.
O prof. Alessandro comunicou que em atividade da qual ele participou em Belo Horizonte, fez contato com colegas que atuam nos foruns de EJA do Nordeste e que esses colegas o informaram de que em Salvador, entre 30 de agosto e 1o. de setembro, acontecerá o V EREJA - Encontro Regional de Educação de Jovens e Adultos - Nordeste, e que será preciso buscarmos informações junto ao Fórum Potiguar de EJA como se organizará o processo de escolha dos delegados do Rio Grande do Norte.
O prof. Alessandro se incumbiu de fazer essa divulgação no grupo de zap do EJA em Movimento tão logo tenha informações mais concretas.
Também ficou definido que o Grupo se organizará para viabilizar nosso IV Encontro EJA em Movimento no final do ano, tendo ficado estabelecido que a Comissão Organizadora será composta pelos colegas, Alessandro Augusto de Azevêdo, Cláudio Correia de Oliveira Neto, Jamille Roberta M. de Oliveira, Maria Rejande de A. Oliveira e Leia de A. Rodrigues, além do convite que será feito à profa. Edneide Bezerra, do IFRN, que sempre tem se colocado à disposição para apoiar nossos eventos.
A próxima reunião será marcada para a segunda quinzena de agosto, com a apresentação da experiência de reorganização do trabalho pedagógico da EJA do município de Sã0 Gonçalo de Amarante.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Foruns de EJA do Nordeste organizam V Encontro

Entre 30 de agosto e 1o. de setembro de 2018, acontecerá, em Salvador-BA, o V Encontro Regional dos Fóruns de EJA do Nordeste, cujo tema será: "A Educação de Jovens e Adultos como espaço de resistência e confirmação de direitos: desafios e lutas no atual cenário político brasileiro".
Os Fóruns de Educação de Jovens e Adultos (EJA) constituem-se como espaços de encontros e mobilização dos diferentes segmentos que atuam na sociedade civil e nos setores governamentais em defesa do direito à educação de pessoas jovens, adultas e idosas. O EREJA Nordeste (Encontro Regional de Educação de Jovens e Adultos do Nordeste) é um espaço de luta e formulação de propostas para as políticas de EJA considerando as demandas específicas dessa Região.
Esse Encontro terá a participação de delegados e delegadas de cada Fórum de cada Estado e tem como objetivo dar continuidade as propostas do EREJA anterior de assegurar os avanços das políticas de EJA, após sua inserção na LDB como modalidade da Educação Básica e sua definição como direito público e subjetivo. Além disso, objetiva analisar as perspectivas de garantia desse direito na atual conjuntura nacional condicionada por crises econômicas, políticas, sociais e educacionais, onde se identificam avanços, retrocessos, possibilidades e limites do controle social, tal como identificado no XVENEJA, acontecido em novembro de 2017.
Assim como o XV ENEJA, esse Encontro Regional do Nordeste também deverá  fazer um balanço de ações político-pedagógicas que ainda representam desafios para a EJA e buscar construir propostas de mobilização e de criação de novas possibilidades de efetivação do direito à EJA.
Nesse sentido, o EREJA será um espaço para discussões coletivas a partir de Palestras, Mesas Redondas e Rodas de Conversas, onde será possível a socialização de relatos de experiências de professores e estudantes de EJA, bem como do ensino superior, exposição de trabalhos artísticos produzidos pelos estudantes, e grupos para discussão de questões de políticas educacionais para a modalidade.
No nosso Estado, cabe ao Fórum Potiguar de EJA iniciar o processo de discussão e mobilização no sentido da escolha de 10 delegados a que tem direito enviar para esse EREJA.
Nós que fazemos parte do Grupo EJA em Movimento estamos aguardando que seja convocada uma reunião do Fórum Potiguar de EJA para que possamos avaliar como poderemos participar desse evento tão importante.

terça-feira, 5 de junho de 2018

Grupo EJA em Movimento reúne-se para discutir relato de experiência sobre Ensino Religioso e define direcionamentos para a próxima reunião

Dia 22 de maio passado o Projeto EJA em Movimento realizou mais uma atividade de discussão sobre as práticas pedagógicas na modalidade a partir da discussão de um relato de experiência apresentado pelo professor Francisco Augusto da Silveira, lotado na rede pública de educação básica e atuante na EJA.
O professor apresentou brevemente seu currículo, ressaltando sua dupla formação como Licenciado em Matemática e em Ensino Religioso, e contextualizou a problemática relacionada ao despreparo e ausência de formação específica de boa parte dos profissionais que atuam na área de Ensino Religioso, fazendo com que as aulas nessa área se caracterizem mais como momentos de proselitismo religioso do que, propriamente, em estudo das religiões existentes, contribuindo, assim, para um distanciamento significativo dos estudantes nesse componente curricular.
Sua preocupação com isso, aliada à sua dupla formação, implicou na busca de uma solução que foi  a articulação interdisciplinar, na qual ele produziu projetos de ensino envolvendo professores de outros componentes curriculares, nas escolas em que ele atua. Nesse sentido, em sua exposição, o professor Francisco Augusto apresentou as possibilidades de diálogos entre o Ensino Religioso e outras áreas de conhecimento, através do projeto implementado na Escola Municipal Almerinda Bezerra, no Guarapes, denominado “Visitas aos Templos Religiosos da cidade de Natal”, em que os estudantes eram convidados a conhecerem os aspectos históricos e geográficos presentes em algumas religiões (inclusive não cristãs) com praticantes em Natal.
Além desse projeto, o Professor apresentou, também, os projetos “As formas geométricas e reflexões sobre os espaços sagrados” e “Religiões em números”, desenvolvidos na Escola Municipal Celestino Pimentel e Ulysses de Góes, junto com professores de matemática dessas escolas.
Os debates que se seguiram abordaram os preconceitos reinantes dentro das escolas e fora delas, os quais condicionam e dificultam o trabalho pedagógico na área do ensino das religiões, o que poderia ser minorado caso essa área fosse incorporada no âmbito do currículo dos cursos de pedagogia, conforme defendeu o professor convidado.
Terminada a discussão, o grupo resolveu que no próximo encontro, o tema a ser discutido será "Evasão na EJA", com o apoio da leitura de um texto, o qual está disponibilizado no link: https://epaa.asu.edu/ojs/article/viewFile/1318/1151.
O próximo encontro acontecerá dia 26 de junho, às 14h30min, na sala Multimeios 1, no Centro de Educação da UFRN.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

Informe sobre Reunião no Ministério Público Estadual acerca da implementação da Portaria 1731/2016-SEEC/RN

Por Alessandro Augusto de Azevêdo

Semana passada, dia 10 de maio de 2018, às 14h30min, participamos de reunião na sede do Ministério Público Estadual, com o promotor dos direitos à educação, o Sr. Raimundo Caio, e três servidoras da SOINSPE (Subcoordenadoria de Inspeção Escolar)da SEEC/RN, para tratarmos das questões postas pelas nossas comunicações à Promotoria acerca da implementação da Portaria 1731/2016-SEEC/RN que define critérios para a abertura de turmas na modalidade EJA.
As servidoras, inicialmente, defenderam a legitimidade da Portaria pelo trabalho coletivo envolvido em sua elaboração, o qual, segundo elas - e para minha surpresa - teria envolvido até mesmo representantes do SINTE-RN. Nesse aspecto, não pude saber a veracidade da informação, mas o farei, certamente, pois não podemos aceitar que o SINTE-RN endosse uma norma que constrange, na prática, a garantia do direito à educação.
Posteriormente, indagadas sobre os números de matrículas na EJA registradas pelo SIGEDUC e apontados por nós em nossa última comunicação, as servidoras argumentaram, inicialmente, que havia muitas inconsistências no sistema SIGEDUC e até imprimiram um material referente ao número de matrículas na 8a DIREC - citada como exemplo trágico de redução de matrículas - dos anos de 2016 e 2017, mas não foi possível fazer uma análise aprofundada do material, de modo que apenas constatamos que em 2016 haviam turmas constituídas na quantidade abaixo do previsto na Portaria, mas essa informação é de pouca valia, já que a Portaria passa a valer em 2017.
As servidoras sustentaram, ainda, que nunca houve recusa da SOINSPE em autorizar a abertura de turmas em quantidades inferiores àquelas definidas na Portaria, diante das solicitações vindas das direções de escolas ou das DIREC, o que até pode ser verdade, mas não toca na questão central: se as direções das escolas - face às determinações da Portaria - já não estariam desestimuladas a abrirem as turmas e, portanto, previamente, negando o direito à educação.
O Promotor percebeu essa contradição e questionou como a SOINSPE saberia se as direções das escolas e das DIREC estão efetivamente atendendo ou não às demandas de matrícula de EJA (seja absorvendo-as nas unidades escolares sob suas respectivas responsabilidades, seja encaminhando-as às redes municipais). Pois, no seu entendimento, o que chegaria à SOINSPE, já seria resultado de uma "filtragem" realizada por obra da Portaria e que a própria SOINSPE não teria como assegurar. E esse passou a ser o ponto sobre o qual ele se debruçou e sobre o que - como resultado da audiência - se comprometeu em elaborar uma recomendação.
Em minha avaliação particular, a reunião foi positiva. O Promotor percebeu que havia algo inconsistente nos argumentos trazidos pela SEEC-RN e que o processo criado pela Portaria cria condições para a negação ao direito à educação. Porém, precisamos de mais elementos para qualificarmos nossa luta e para isso precisamos do envolvimento efetivo de professores e estudantes de EJA conscientes e engajados nessa questão.
Assim, é muito importante que quaisquer casos de negação do direito à educação para jovens e adultos, sejam denunciados amplamente e cheguem ao Ministério Público. É inaceitável que uma turma de EJA não seja formada, mesmo tendo demanda, seja qual for o motivo. A efetividade do direito tem que ser um princípio fundamental norteador das ações de qualquer gestão e não sua submissão a quaisquer conveniências.
Para isso, será necessário um trabalho de monitoramento dos fechamentos de turmas de EJA nas redes, seja com dados estatísticos oficiais, seja em tempo real, no momento de organização de turmas nas escolas das redes. De nossa parte, estamos nos colocando abertos a receber quaisquer denúncias relacionadas a isso, para encaminhamento aos órgãos competentes, desde que fundamentadas e/ou documentadas. Também iniciaremos um trabalho de análise dos censos escolares para divulgação da dinâmica de matrículas na EJA em todas as redes municipais e estadual.
Mas, é preciso dizer, este trabalho, atualmente, tem poucas mãos e pernas dedicadas a ele. Precisamos de mais. E quem quiser se envolver, por favor, faça contato conosco ou venha às nossas reuniões do Projeto EJA em Movimento, para pautarmos essas questões, discutirmos-las e darmos os encaminhamentos que considerarmos necessários.
Nossos canais de informações:
endereço eletrônico: ejaemmovimento@gmail.com;
Cx. Postal 1667 - Campus Universitário UFRN, CEP 59078-970, Natal-RN.

quarta-feira, 2 de maio de 2018

EJA em Movimento discute experiência de matemática na EJA

Dia 24 de abril o Projeto EJA em Movimento voltou a se reunir, dessa vez, para discutir uma experiência didático pedagógica desenvolvida pelo professor Liceu Carvalho, da rede pública municipal de educação, o qual já atua na EJA há pouco mais de 15 anos.
Antes do Relato de Experiência, foram dados dois informes importantes: a) sobre nosso evento anual, cuja data será entre 28 e 30 de novembro, face ao edital publicado pela PROEX de apoio a eventos, o coordenador Alessandro Augusto de Azevêdo informou ter enviado uma proposta de evento para concorrer a recursos disponibilizados pelo edital, mas que a versão definitiva do evento será construída pelo coletivo ao longo do ano; b) sobre a representação enviada ao Ministério Público relacionada à Portaria 1731/2016, a audiência marcada para o dia 2 de maio, foi adiada para o dia 10 de maio, às 14h30min.
Iniciada a atividade - onde tivemos uma participação expressiva de colegas vindos do município de Ceará Mirim - o professor apresentou seu "Jogo de Fichas: relação entre a linguagem matemática algébrica e a língua materna", possibilitando aos presentes se apropriarem de seus fundamentos teóricos, metodológicos e as diversas possibilidades da proposta de atividade. Além da exposição, o professor dialogou com os presentes.
O material por ele apresentado está disponível nos links: https://1drv.ms/b/s!AqVpC3geBMQUgsIenOWgf-aU2drT-g e https://1drv.ms/b/s!AqVpC3geBMQUgsIg7fesuX5mnOrOuw
Quanto à data de nosso próximo encontro, ficou indicado o dia 22 ou 29 de maio, com pauta a ser definida.

sábado, 7 de abril de 2018

EJA em Movimento reúne-se e define caminhos para 2018

No último dia 20 de março, aconteceu a primeira reunião do Projeto EJA em Movimento, que teve como foco de suas discussões a seguinte pauta: (a) as necessidades e expectativas dos participantes quanto ao que teríamos que desenvolver ao longo deste ano, considerando a dinâmica de atividades e de participação das pessoas no ano passado; (b) a definição de uma data para nosso evento anual; e (c) o encaminhamento de uma nova representação ao Ministério Público sobre a implementação da Portaria 1731/2016-SEEC/RN que criou critérios para a criação de turmas de EJA e que redundou numa drástica redução de oferta de vagas na rede pública estadual.
Em relação a cada ponto de pauta, tivemos a seguinte discussão:
(a) Considerou-se a importância de que a participação dos colegas dos municípios do interior seja ampliada, de modo que não apenas os coordenadores, mas os professores dessas redes, possam se articular às nossas atividades. O projeto pode se aliançar com as secretarias municipais de educação no sentido de que as atividades possam acontecer nas sedes desses munícipios, o que será possível na medida em que os colegas dos municípios realizem esse movimento de articulação com os dirigentes municipais a fim de que possamos iniciar as conversações em torno das condições e possibilidades de uma parceria dessas. Na ocasião, a colega Elisângela, de Goianinha, trouxe questionários aplicados junto aos colegas professores desse município para que sistematizássemos as respostas e a partir daí possamos pensar um plano de formação continuada. A colega Leia, de São Gonçalo do Amarante, por sua vez, informou que os coordenadores da EJA daquela rede municipal desenvolveram uma pesquisa para identificação do perfil sócio-econômico-cultural dos estudantes da EJA, a fim de repensarem o currículo. Ela informou que os coordenadores pretendem trazer os dados para discussão nas reuniões de nosso grupo.
(b) Quanto ao nosso evento anual, o grupo optou em planejar sua realização no final de novembro, dado que teríamos mais tempo para organizá-lo e ainda poderíamos ver alguns desdobramentos e resultados das atividades do nosso projeto socializados mais amplamente.
(c) Foi apresentado o conteúdo de nova representação a ser encaminhada à Promotoria de Educação do Ministério Público Estadual face aos efeitos da Portaria 1731/2016, já constatados a partir dos dados divulgados pela dissertação de mestrado da pesquisadora Liz Araújo, em sua defesa em fevereiro próximo passado.
A nossa próxima reunião acontecerá no dia 24 de abril, às 14h30min, nas dependências do Centro de Educação, e na oportunidade teremos a apresentação de um relato de experiência didático-pedagógica.

quinta-feira, 29 de março de 2018

Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos

A Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos é um periódico semestral da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), editado pelo Grupo de Pesquisa Cultura, Currículo e Politicas na Educação de Jovens e Adultos (CULT-EJA). As interfaces entre a Educação de Jovens e Adultos (EJA) e as questões contemporâneas da epistemologia, da cultura, da história e da política são os interesses desta revista.
A Educação de Jovens e Adultos (EJA) tem se configurado contemporaneamente como campo afluente de diversos problemas educativos e sociais, o que tem provocado a ressignificação de suas práticas e colaborado para que esta temática ganhe - do ponto de vista institucional - cada vez mais atenção das instâncias governamentais e das instituições de ensino, no entanto o mesmo não ocorre quando falamos do reconhecimento deste campo pelas instâncias de pesquisa e de produção científica.
Apesar de pulularem por todo o país especializações em EJA, ainda é por demais tímida a inserção desta temática no rol da pós-graduação strictu senso, o que lhe conferiria uma regularidade de produção, bem como a produção de quadros com carreiras dedicadas aos problemas advindos da EJA. Existem algumas linhas de pesquisa, como as dos programas de pós-graduação em educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), que apresentam em suas descrições, também, a EJA como um de seus interesses. Além disso, foi em 1999 que a temática se converteu em Grupo de Trabalho (GT) nas reuniões anuais da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (2012; 2008), o que tem impulsionado e incentivado a pesquisa nesta área.
No campo das Publicações Científica, a REVEJ@, mantida pelo Núcleo de Educação de Jovens e Adultos, órgão ligado à Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), figura até o momento como única revista dedicad à temática no Brasil, no entanto seu funcionamento está suspenso, conforme comunicação em seu site (2010). Esporadicamente uma ou outra revista de educação – ou de campos afins – promove um dossiê temático ou dedica um número à EJA.
Partindo deste quadro de carência, o grupo de pesquisa Cultura, Currículo e Politicas na Educação de Jovens e Adultos (CULT-EJA), da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), toma a iniciativa de produzir uma revista dedicada exclusivamente ao tema, na tentativa de abarcar as diversas produções da área, o que poderá contribuir para a consolidação do campo como interesse de pesquisa, além de tornar público o esforço de muitos pesquisadores da EJA, cujos esforços de produção científica esbarram na carência de espaços de divulgação de seus textos.
Assim, a Revista Brasileira de Educação de Jovens e Adultos, começa com a intenção de abarcar as produções nacionais e internacionais dedicadas à EJA, advindas de pesquisas desenvolvidas em nível de doutorado e mestrado, bem como aquelas em desenvolvimento por professores não vinculados a programas de pós-graduação. Interessa-nos também textos produzidos por professores da educação básica e estudantes, que possuam produções dentro do campo da EJA.
Associado a este interesse básico, a revista também se abrirá em uma seção de temática livre, na qual outros trabalhos da área de educação poderão ser publicados, resguardados os interesses dos editores da revista, a ser divulgado conjuntamente com as chamadas públicas do referido periódico.

OBJETIVOS

Ampliar o debate sobre a EJA na contemporaneidade;
Incentivar a circulação de textos escritos sobre a temática da EJA;
Estabelecer um espaço de referência para o debate da EJA;
Acolher o debate academicamente qualificado de docentes e discentes de diversas instituições universitárias.
Para acessar os números da Revista, basta acessar o link: http://www.revistas.uneb.br/index.php/educajovenseadultos/issue/archive

Boa experiência de leitura, pesquisa e estudos para todos e todas.

Projeto EJA em Movimento realiza primeira reunião do ano e define caminhos para 2018

Dia 20 de março próximo passado ocorreu a primeira reunião do Projeto EJA em Movimento, momento em que discutiu-se a seguinte pauta: (1) definição da dinâmica de atividades do grupo neste ano; (2) realização do evento anual; e (3) nova representação no Ministério Público contra os efeitos da Portaria 1731/2016 da SEEC/RN.
Quanto ao primeiro ponto da pauta, foram colocadas as questões relacionadas à inconstância da participação das pessoas, especialmente aquelas que vêm de municípios do interior e, por isso, não podem ter a regularidade que seria desejável. Nesse sentido, foi colocada a sugestão de que os colegas do interior começassem a se organizar para construir a possibilidade de que pudéssemos promover as atividades do Projeto em suas respectivas municipalidades, o que implicará articulação com a Secretaria Municipal de Educação.
Na ocasião, a coordenadora Elisângela, do município de Goianinha, se colocou à tarefa de viabilizar essa alternativa, tendo a mesma já iniciado um movimento de contato com os professores de EJA de seu município a fim de identificar demandas de formação continuada. A profa. Elisângela aplicou um questionário (elaborado em nosso Projeto) junto aos professores de EJA de Goianinha, com o objetivo de recolher essas demandas, ano passado. Deixou conosco os questionários respondidos para que possamos sistematizar os resultados para ser discutido entre nós, a fim de pensarmos possíveis caminhos de articulação interinstitucional a fim de viabilizarmos um processo de formação continuada nesse município.
Também foi colocada pela colega Léia, de São Gonçalo de Amarante, a possibilidade de participarmos de atividades com os professores de lá. Em São Gonçalo, os colegas aplicaram um questionário junto a estudantes da EJA, a fim de identificarem características sócio-culturais. A profa. Léia adiantou a expectativa de que os coordenadores que estão conduzindo esse processo venham compartilhar os dados conosco.
Assim, as atividades continuarão se realizando na UFRN, mas na medida em que os professores do interior consigam se articular e organizar espaços em seus próprios municípios, faremos esforços para concretizar uma articulação interinstitucional que viabilize nossa ida até os municípios.
Em relação às atividades do Projeto, decidimos que NOSSO PRÓXIMO ENCONTRO SERÁ DIA 24 DE ABRIL, mesmo horário (14h30min), no Centro de Educação, com a apresentação de um Relato de Experiência (a ser definido).
Quanto à realização de nosso evento anual, foi posto que normalmente a data de realização coincide com o período da CIENTEC pelo fato de que se trata de um evento para o qual as secretarias liberam os professores à participação, o que facilitaria, portanto, os professores que atuam na EJA. Porém, este ano, a CIENTEC acontecerá na última semana de junho, fazendo com que tenhamos muito pouco tempo para organizarmos o referido evento. Assim, os presentes optaram pelo final de novembro como período indicativo para a realização de nosso evento.
Por fim, foi apresentado e aprovado o texto da nova representação a ser encaminhada ao Ministério Público Estadual referente aos efeitos da Portaria 1731/2016 que provocou uma queda monumental nas matrículas na EJA em decorrência dos critérios restritivos para a abertura de turmas na rede estadual. O documento está disponível para consultas e assinaturas em http://www.peticaopublica.com.br/pview.aspx?pi=BR105462. Deveremos encaminhá-lo na próxima semana.

sábado, 3 de março de 2018

A destruição da EJA na rede estadual de educação pública do RN

Por Alessandro Augusto de Azevêdo

Em novembro de 2016, eu e mais três colegas, professores da UFRN (profs. Marisa Narciso e Alexandre Aguiar) e do IFRN (profa. Edneide Bezerra), protocolamos uma representação junto ao Ministério Público Estadual, questionando os termos da então recente Portaria 1731, a qual integrava o conjunto de medidas da SEEC de "redimensionamento" da rede estadual de educação pública, razão pela qual, inclusive, tivemos ocupações de escolas e do próprio prédio da SEEC.
Naquela representação (seu conteúdo integral pode ser acessado através do link: https://ejaemmovimento.blogspot.com.br/2016/11/professores-protocolam-representacao-ao.html), denunciamos que os critérios estabelecidos unilateralmente pela gestão da SEEC para a abertura de turmas na EJA eram um estímulo à redução de vagas e, portanto, uma medida que, na prática, negava o direito à educação aos jovens e adultos que procurassem estudar, pois, segundo a portaria, para que uma turma de EJA no ensino fundamental fosse aberta seria necessário que houvessem, no mínimo, 30 matrículas, no 1o. segmento (anos iniciais) e 35 matrículas, no 2o. segmento (anos finais) . No caso de uma turma de Ensino Médio, seria necessário, no mínimo, 40 matrículas.
À época, argumentamos ao Ministério Público que tal medida colocava-se na contramão de todas as iniciativas legais que circulam nas comissões legislativas do Congresso Nacional, as quais, via de regra, em nome da qualidade dos processos educacionais, instituem limites MÁXIMOS e não mínimos para a formação de turmas.
Mas, principalmente, apontamos a possibilidade de que houvesse uma efetiva NEGAÇÃO DO DIREITO À EDUCAÇÃO para esses sujeitos, dado que os gestores estariam plenamente legitimados por essa portaria à negarem a abertura de turmas de EJA na medida em que o critério de abertura de turmas estabelecido não condiz com a realidade da demanda pela EJA em nossas escolas.
Pois bem, no último dia 23 de fevereiro, ocorreu nas dependências do Centro de Educação da UFRN a apresentação da dissertação de mestrado da profa. Liz Soares, sobre as ações desenvolvidas pela SUEJA (Subcoordenadoria de Educação de Jovens e Adultos), entre 2000 e 2015, trabalho cujo conteúdo pude ter acesso e eis que lendo-o me deparo com dados relativos à quantidade de matrículas realizadas pela rede estadual de educação na EJA, entre 2015 e 2016, dados estes que apenas confirmam o movimento de destruição da modalidade iniciada pela atual gestão da SEEC.
A seguir, reproduziremos os dados contidos na dissertação, a qual retratam o volume de matrículas apenas em 8 DIREC (que são as instâncias de gestão regional da SEEC) - entre as quais está a 1a., que é uma das maiores dado que congrega escolas da região da Grande Natal.

EVOLUÇÃO DAS MATRÍCULAS DA EJA NA REDE ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PÚBLICA DO RIO GRANDE DO NORTE (2015-2017).
ANO
1ª DIREC
2ª DIREC
3a DIREC
4ª DIREC
5ª DIREC
6ª DIREC
7ª DIREC
8ª DIREC
2015
12.592
4.059
3.181
1.144
1.204
1.002
402
522
2016
15.756
4.198
3.246
1.405
2.170
2.624
522
454
Variação Percentual
25,13
3,42
2,04
22,81
80,23
161,88
29,85
-13,03
2017
4.431
1.693
1.128
687
614
690
151
32
Variação Percentual
-255,59
-147,96
-187,77
-104,51
-253,42
-280,29
-245,70
-1.318,75
ARAÚJO, Liz. Sertaniando a Educação Básica: um estudo das políticas de acesso à EJA, construídas ou executadas na SUEJA (2000 a 2016). Dissertação de Mestrado. Natal: UFRN, 2018

As quedas de matrículas atingem percentuais assustadores, tão assustadores que é difícil acreditar que sejam resultados apenas do "desinteresse" das pessoas em estudarem e procurarem a modalidade...trata-se, na verdade, de outro "desinteresse", o da atual gestão da SEEC.
Vale lembrar que foi na gestão anterior, sob o comando do prof. Chagas Fernandes, do Partido dos Trabalhadores, que se interrompeu um movimento de queda das matrículas na EJA que vinha acontecendo desde 2008 (com exceções em 2011, quando se obteve um aumento de 2,08% e 2013, quando se alcançou 3,2%), quando as matrículas encontravam-se em 50.100 e chegaram em 2015 a 31.433. Assim é que em 2016 o número total de matrículas na educação básica na EJA aumenta em 5,38% em comparação com 2015, registrando-se 33.127 matrículas.
Os índices negativos que a tabela apresenta gritam por si sós. O que vemos aqui é um ataque virulento ao direito à educação de um determinado conjunto social: aqueles homens e mulheres a que chamam de "mais pobres", cuja trajetória escolar, no geral, foi interrompida e redesenhada pelos tentáculos das nossas desigualdades sociais, visíveis em vários lugares (limpando parabrisas dos carros em semáforos; fazendo serviços de limpeza em empresas terceirizadas ou em casas da nossa classe média e alta; protegendo as ruas onde essas classes se escondem; presos em nossas cadeias...), mas invisíveis pela linha política adotada na SEEC de nosso Estado (sobre a política de EJA da atual gestão da SEEC, ver nossa última postagem no link: https://ejaemmovimento.blogspot.com.br/2018/01/qual-politica-da-seecrn-para-educacao.html)
Para sermos bem honestos, o que a gestão da SEEC está fazendo se coaduna com um movimento de fechamento de turmas de EJA que várias secretarias estaduais e municipais vêm fazendo há alguns anos, inclusive a secretaria municipal de Natal, cujas taxas de matrículas também registram quedas violentas (de 7.018, em 2012, chegou-se a 5.941, em 2016, sendo que já se teve 9.035, em 2007). E não se trata de uma redução resultante de um aumento na taxa de escolarização da população acima de 15 anos. Muito antes pelo contrário, o IBGE aponta o crescimento da demanda potencial da EJA na medida em que registra o aumento de taxas de baixa escolarização dessa população que no Rio Grande do Norte, conforme o PNAD/2016, atinge pouco mais de 922 mil pessoas sem o Ensino Fundamental Completo.
Não nos iludamos, estamos diante de mais um dos golpes enviados ao nosso povo nesse caldo cultural de ataque aos direitos queo penso neoliberal promoveu desde os anos 1990 em nosso país e que desde o Golpe de 2016 que apeou a presidenta Dilma do poder, tem assumido sua face mais cínica.
Provocaremos o Ministério Público para que se posicione diante da publicação desses dados e esperamos que as forças políticas que defendem uma educação pública e de qualidade social também se pronunciem sobre essa situação absurda, afinal, os dados são de 2017...nem gosto de imaginar o que pode nos trazer os dados do Censo Escolar de 2018...

I Colóquio de EJA de Ceará Mirim e Pré-Encontro Municipal EJA em Movimento

Próximo dia 26 de agosto, na Escola Municipal Adele de Oliveira, em Ceará Mirim, os professores que atuam na EJA do município terão a oportu...